CINCO ANOS DA CRIMINOSA DESTRUIÇÃO DO IASERJ CENTRAL

Reproduzimos abaixo panfleto do MUDI-MOVIMENTO DE MORADORES E USUÁRIOS EM DEFESA DO IASERJ/SUS.


Em 14/07/12, SERGIO CABRAL, chefe da quadrilha estadual, e seu comparsa  SERGIO CÔRTES, secretário de saúde ,comandaram a desativação do Hospital Central do IASERJ, com o uso da força da Tropa de Choque, retirando na calada da noite os pacientes internados, sem o consentimento dos familiares, resultando na morte dos 15 pacientes graves do CTI (alguns entubados). A ação criminosa teve o apoio do Ministério Público Estadual e do Judiciário, tendo este autorizado a repressão policial. Cabral já havia desativado o hospital de ortopedia Anchieta e o de doenças infeccto-contagiosas, São Sebastião. No início de 2013, os 32 prédios do IASERJ foram demolidos, apesar de várias ações na Justiça. O IASERJ Central foi alvo de uma negociata de R$500 milhões entre Cabral e o Ministério da Saúde. Os ambulatórios da Gávea, Penha e Madureira também foram desativados. A população perdeu um hospital com capacidade de mais de 400 leitos, ambulatórios de mais de 40 especialidades (inclusive tratamento de câncer), CTI, maternidade e serviço de emergência 24 horas. No local seria construído o Centro de Pesquisa do INCA cujas obras foram paralisadas no início, após a empreiteira ser denunciada pela operação LAVA JATO, restando ali um terreno baldio.

NADA justifica a extinção de serviços de saúde, principalmente porque o número de leitos vem caindo progressivamente, levando familiares a recorrerem ao plantão judicial para conseguir, por liminar, um leito. Muitos pacientes morrem antes, mesmo com a liminar na mão. Os leitos hospitalares do SUS no estado do Rio diminuíram de 49.070 (janeiro de 2006) para 39.244 (maio de 2017). No município do Rio, a perda variou de 21.311 (janeiro de 2006) para 17.653 (maio de 2017). O desmonte do SUS atinge todas as esferas: no município, faltam medicamentos básicos nas clínicas da família; laboratórios não estão realizando todos os exames, além de a espera na fila ser longa. Os profissionais de saúde das O.S. (ORGANIZAÇÕES SOCIAIS – empresas que gerenciam serviços públicos com dinheiro do povo) também estão sofrendo com atraso de salário, suspensão de vale alimentação, gratificações e férias; os hospitais Albert Schweitzer e Rocha Faria foram municipalizados e o prefeito Crivella está dispersando os servidores estaduais na rede para contratar  O.S.  para gerir esses hospitais. Para completar, o prefeito ameaça fechar 40 clínicas da família, demitindo vários profissionais, principalmente os agentes comunitários de saúde, deixando a população descoberta de assistência. No estado, o Hospital Pedro Ernesto (UERJ) referência em tratamentos de alta complexidade, ameaça fechar. Servidores estaduais em geral estão passando necessidades porque há meses não recebem salários integralmente e o Judiciário debochadamente diz que isso não passa de “mero aborrecimento”. Os hospitais federais também sofrem ameaça de privatização com sua transformação em institutos nacionais, para ampliar a exploração por planos de saúde. Temer extinguiu o programa federal de farmácias populares. No IASERJ, a situação não é diferente: faltam vários especialistas (endocrinologista, cardiologista, urologista etc.),acabam de aposentar-se mais seis fisioterapeutas; o laboratório está novamente desativado; a odontologia também funciona precariamente. No Hospital Eduardo Rabelo e ambulatório de Niterói,pertencentes à rede Iaserj, o medicamento é escasso. A longa espera por consultas e exames no SISREG tem levado ao agravamento de doenças e à morte, em muitos casos.

A crise financeira serve de desculpa para tudo, com a intenção de enganar o povo. Governantes corruptos fizeram e ainda fazem farra com o dinheiro dos trabalhadores, que perdem direitos conquistados com muita luta, cada vez que políticos eleitos com dinheiro de grandes empresas aprovam leis, como a reforma trabalhista (que ampliará a privatização com O.S., Fundações e EBSERH), a reforma da previdência e a lei que congela investimentos públicos por 20 anos!

 

A maior parte da população brasileira precisa integralmente do SUS, que presta um serviço público, mas não gratuito, pois  pagamos com os altos impostos que as elites no poder nos impõem. Mesmo aqueles que têm plano de saúde podem precisar do SUS, que tem sido sucateado para que os tubarões do mercado da saúde lucrem com a vida das pessoas.

O Estado genocida que pratica a violência executando pobres negros todos os dias nas favelas e trabalhadores no campo é o mesmo que mata por retirar o direito à saúde e à vida. É política de Estado e não fruto de crise econômica ou política. Não podemos continuar calados! A defesa da vida está em nossas mãos!

EM DEFESA DO SUS E DA VIDA!   SAÚDE NÃO É MERCADORIA!

CONTRA A FARSA DAS ELEIÇÕES!

O POVO ORGANIZADO VAI FAZER REVOLUÇÃO!

 

MUDI-MOVIMENTO DE MORADORES E USUÁRIOS EM DEFESA DO IASERJ/SUS

mudiaserj@gmail.com –  mudiaserj@blogspot.com –  facebook

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s